Connect with us

Saúde

As meninas adolescentes sofrem mais com problemas causados por redes sociais do que os meninos

Publicado

em

Algumas pessoas já consideram o assunto como emergência de saúde pública, mesmo sem dados oficiais que confirmem esse estado de emergência, porém os números não mentem e estão indicando que algo realmente está acontecendo.

Com base dos dados de 2021, o Controle de Doenças dos EUA (CDC), realizou um estudo onde afirma que três em cada cinco meninas adolescentes relatam sentir-se frequentemente tristes, ou sem esperanças, esses dados representam um aumento de
quase 60% em relação a 2011, quando 36% das mulheres jovens declararam ter esses sentimentos.

No caso dos meninos também ocorreu uma piora, porém bem menor, em relação às meninas, já que o número dos que relataram passou de 21% para 29% no mesmo período.

Outro indicador assustador do estudo é o aumento do número de adolescentes que pensam em cometer o suicídio: uma em cada três, o que representa um aumento de quase 60% em relação a 2011 e o dobro do número de meninos (14%).

Apesar desse estudo ter sido realizado entre os adolescentes dos Estados Unidos e ainda não termos dados como esse realizado com os nossos adolescentes no Brasil, os pais precisam ficar atentos ao que os filhos consomem e os envolverem mais em atividades fora das redes. Pois segundo um estudo realizado pelo Comscore, o Brasil está em 3º lugar entre as nações que mais consomem redes sociais em todo o mundo, ficando atrás de Índia e Indonésia, e à frente de Estados Unidos, México e Argentina.

Publicidade

Gospel Channel – Carolina Fragoso com informações da BBC News Brasil e Forbes Brasil

Continue lendo
Publicidade
Clique para comentar

You must be logged in to post a comment Login

Deixe um comentário

brasil

Testagem positiva do Covid-19 aumenta no Rio de Janeiro

Publicado

em

Um levantamento da Dasa, a maior rede privada de medicina diagnóstica do Brasil, aponta um aumento de dois pontos percentuais na taxa de positividade dos testes de Covid-19 realizados no Rio de Janeiro. O índice saltou de 9,61% no período de 13 a 19 de abril para 11,59% entre 20 e 26 de abril.

O Rio está abaixo de São Paulo, que registrou uma alta de três pontos percentuais no mesmo período. Naquele estado, a taxa de positividade dos testes atualmente é de 13,14%.

Na Região Sul, o índice chegou a 26,98%, com aumento de três pontos percentuais. No Distrito Federal, a tendência é de estabilidade.

Um aumento na taxa de positividade não necessariamente indica um aumento de casos de Covid-19, já que, devido à redução da transmissão, a procura pelo testes diminuiu. Os dados oficiais das Secretarias municipal e estadual de Saúde ainda não apontam um crescimento no número de diagnósticos da doença, embora esse dado esteja sujeito a atrasos e represamentos.

Gospel Channel com informações do Extra Online

Publicidade

Continue lendo

Gospel News

Médico israelense disse que a ivermectina pode ajudar a tratar COVID, e pede mais pesquisas

Publicado

em

JERUSALÉM, Israel – Na batalha contra o COVID-19, a maior parte do mundo se voltou para as vacinas como principal linha de defesa. Ainda assim, vários médicos e hospitais estão procurando outras opções que podem potencialmente desempenhar um papel na derrota desta pandemia global.

Vários tratamentos tiveram sucesso no tratamento da doença, como o Regeneron e o Remdesevir. 

O medicamento Ivermectina também continua gerando interesse. Enquanto o FDA e outras organizações aconselham contra isso, um médico israelense está relatando resultados positivos em testes clínicos.

O professor Eli Schwartz está no Sheba Medical Center, em Israel, considerado um dos melhores hospitais do mundo. Por décadas, o Prof. Schwartz tem viajado pelo mundo lutando contra surtos como a Dengue e o Ebola. Ele também fundou o Instituto de Medicina de Viagem e Doenças Tropicais em Sheba. No início da pandemia e meses antes de qualquer vacina, o Ministério da Defesa de Israel designou Schwartz para encontrar uma solução médica para o COVID-19. 

“Como a ivermectina é uma das drogas que usamos no dia a dia do Instituto Tropical, eu sabia disso. Eu conheço o perfil de segurança disso. E como havia algumas dicas de estudos in vitro, que mostram a eficácia contra especificamente, mesmo contra COVID-19, decidimos ir em frente. ”

Publicidade

Isso significava submeter a droga a um ensaio clínico que durou dez meses.

“Nosso estudo, que foi feito aqui, é um ensaio clínico randomizado, duplo-cego. É realmente, eu diria, este é o melhor método que você está estudando. E nossa conclusão é que ele realmente tem atividades antivirais ”, disse Shwartz ao CBN News. 

Por sua experiência internacional no campo, Schwartz conhecia parasitas direcionados à ivermectina. Desde seu desenvolvimento em 1987, quase 4 bilhões de doses com poucos efeitos colaterais e de baixo custo protegeram milhões de pessoas de doenças parasitárias insidiosas, como a cegueira dos rios e a elefantíase.

Esse sucesso rendeu a seus desenvolvedores o Prêmio Nobel de medicina em 2015. O estudo de Schwartz ganhou as manchetes em Israel quando seu teste mostrou que a ivermectina também é antiviral.

“Este é o primeiro medicamento a apresentar atividade antiviral. E então, eu acho, há um bom motivo para continuar com uma investigação muito mais completa para ver, por exemplo, se as pessoas que estão em alto risco não podem se deteriorar para serem hospitalizadas, ventiladas mecanicamente ou até a morte. ” 

O estudo clínico de Schwartz descobriu que, no quarto dia, 86% dos pacientes que tomaram ivermectina se recuperaram. No sexto dia, 94% se recuperaram.

Publicidade

“O resultado final é que… a ivermectina diminuiu mais rapidamente a carga viral e também esterilizou a cultura muito melhor em comparação com o placebo”, disse ele.

Schwartz explicou ao CBN News que isso significa que a ivermectina matou o vírus e seus pacientes não eram infecciosos. Schwartz diz que isso pode salvar vidas e reduzir a quarentena em dias.

“É uma grande mudança na vida. É uma grande mudança para o paciente. É uma grande mudança para sua família. E do ponto de vista econômico, é uma mudança dramática. Você sabe, é quanto dinheiro você pode economizar para a economia do país, se você puder encurtar o tempo de isolamento ”, disse ele.

Mas a ivermectina não é aceita pelo estabelecimento de saúde global. Uma grande preocupação do FDA é que várias pessoas tentaram se automedicar usando uma forma da droga destinada ao gado. 

 “Não faça isso. Não há nenhuma evidência de que funcione e poderia potencialmente ter toxicidade, como você acabou de mencionar, com pessoas que foram a centros de controle de veneno porque tomaram a droga em uma dose ridícula e acabaram pegando doente ”, disse o Dr. Anthony Fauci.

A Organização Mundial da Saúde aconselha “que a ivermectina seja usada apenas para tratar COVID-19 em ensaios clínicos”. 

Publicidade

O National Institutes of Health afirma: “A ivermectina não é aprovada pelo FDA para o tratamento de qualquer infecção viral” e que “ensaios clínicos bem conduzidos são necessários para fornecer orientações mais específicas e baseadas em evidências sobre o papel da ivermectina no tratamento de COVID-19. ”

Para que os estudos sejam aceitos pela comunidade médica mais ampla, eles devem ser revisados ​​por pares e publicados em um jornal médico. É aí que o professor Schwartz se deparou com um obstáculo.

Vários periódicos o recusaram, mas um está atualmente revisando seu estudo.

“É algo realmente muito estranho. Quer dizer, na minha carreira publiquei, acho que pelo menos 300 artigos e capítulos, e nunca ouvi a história que eles têm com a ivermectina. Eu acho que esse tipo de campanha internacional, anti-ivermectina; mesmo que temos antivax, anti-vacina, temos anti-ivermectina. Não entendo ”, disse Schwartz.

Schwartz acrescentou que, embora muitas agências de saúde queiram melhores estudos, nenhum ensaio em grande escala com ivermectina aconteceu até a Universidade de Oxford começar um em junho deste ano. 

“Quer dizer, eles levaram 18 meses desde o início da pandemia para tentar fazer isso. Quer dizer, pessoas morrendo em todo o mundo. E você tem drogas nas mãos e tem que esperar muito até conseguir fazer um bom estudo ”, disse.

Publicidade

Agora, a empresa farmacêutica Merck, que desenvolveu a ivermectina, e a Pfizer estão em uma corrida para produzir um medicamento antiviral oral para COVID que alguns acreditam ser o que a ivermectina já pode fazer.

“Na minha opinião, toda a história da ivermectina vai muito além da ivermectina. Está ainda além da coroa. O problema é que estamos nos braços da farmacêutica e a farmacêutica está em busca de novos medicamentos. E, portanto, todas as drogas antigas que podem ter um bom potencial para serem usadas para o que quer que você esteja procurando, não há pais para pressioná-las ”, afirmou Schwartz.

O professor Schwartz defende o uso de ivermectina, mas também acredita na vacina.

“Na maior parte do mundo, a vacina ainda não está disponível. Então, se tivermos um medicamento que possa tentar reduzir a magnitude da pandemia nesse ínterim, isso é absolutamente necessário, mas quando, se eu tiver que comparar a vacina e a ivermectina para prevenção, sem dúvida a vacina. Essa é a solução, a solução internacional ”, disse. 

 Schwartz espera que mais pesquisas provem que a droga pode ajudar a combater esta pandemia e que eventualmente poderá tratar pacientes de forma generalizada e não apenas em ensaios clínicos.

Gospel Channel com informações da CBN News

Publicidade

Continue lendo

brasil

Brasil tem 1º caso de coronavírus após contraprova dar positivo

Publicado

em

O Brasil tem o primeiro caso de coronavírus confirmado. A contraprova de um paciente que esteve na Itália deu positivo depois de teste feito no Instituto Adolfo Lutz. 

 O Hospital Israelita Albert Einstein registrou a notificação nesta terça-feira (25) e no atendimento, adotou todas as medidas preventivas para transmissão por gotículas, coletou amostras e realizou testes para vírus respiratórios comuns e o exame específico para SARS-CoV2 (RT-PCR, pelo protocolo Charité), conforme preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). 

 Com resultados preliminares realizados pela unidade de saúde e de acordo com o Plano de Contingência Nacional, o hospital enviou a amostra para o laboratório de referência nacional, Instituto Adolfo Lutz, para contraprova.

Trata-se de um homem de 61 anos, residente em São Paulo. Traz o histórico de viagem para a Itália, na região da Lombardia (norte do país), a trabalho, sozinho, no período de 9 a 21 de fevereiro. Iniciou com sinais e sintomas (febre, tosse seca, dor de garganta e coriza) compatíveis com a suspeita de doença pelo coronavírus. 

O paciente está bem, com sinais brandos e recebeu as orientações de precaução padrão. 

Publicidade

 Pessoas que tiveram contato 

 As secretarias de Saúde municipal e estadual de São Paulo começaram a identificar as pessoas que tiveram contato com o paciente investigado na casa, no hospital e no voo, com apoio da Anvisa junto à companhia aérea. 

Essas pessoas serão contatadas e deverão fazer exames.

Ao todo o país tem quatro casos investigados, todos em São Paulo. Já foram descartados outras 55 suspeitas.

Gospel Channel com informações do R7

Publicidade
Continue lendo

Trending