Casos de abusos sexuais atingem igrejas do sul da Índia

0
275

O caso de um bispo católico acusado de estuprar uma freira e o de quatro padres ortodoxos que foram presos por abusarem sexualmente de uma mulher durante anos mancharam a imagem das igrejas cristãs no estado de Kerala, no sul da Índia.

Franco Mullackal, bispo católico em Punjab, foi interrogado nesta terça-feira por uma equipe da Polícia de Kerala depois que uma freira fez uma denúncia no final de junho acusando o religioso de estupro em repetidas ocasiões entre 2014 e 2016. Neste estado, de maioria hindu, 18% da população é cristã. As autoridades ouviram a versão de Mullackal, que, por enquanto, não será detido até que seja confirmada, de acordo com K. Subhash, o superintendente adjunto encarregado da investigação. O interrogatório aconteceu um dia depois de Subhash comunicar ao Tribunal Supremo de Kerala que a investigação, ainda em curso, revelou que o bispo acusado “estuprou repetidamente” a freira “usando da sua posição de poder “.

Pouco depois da acusação, a Polícia de Kerala abriu uma investigação por abusos sexuais contra quatro sacerdotes da Igreja Ortodoxa Siríaca Malankara. Um homem denunciou à Polícia que a mulher com quem é casado foi abusada sexualmente pelo padre Abraham Varghese, quando tinha 16 anos. Quando a vítima contou em uma confissão o que tinha acontecido, outros três padres utilizaram a informação para agredi-la sexualmente durante anos.

O advogado de Varghese, Enoch David Simon, explicou à Efe que seu cliente e Jaise K. George – um dos três envolvidos – se entregaram na segunda-feira à Polícia do estado para ser interrogado, enquanto os outros dois foram detidos anteriormente e estão em liberdade pagando fiança. Os quatro religiosos mantêm que são inocentes, segundo Simon.

Embora ainda não tenham sido condenados, a Igreja prometeu às autoridades que “não protegerá os culpados e irá colaborar totalmente com a investigação e com qualquer decisão estabelecida pela Justiça”, explicou à Efe P.C. Elias, porta-voz da congregação.

Já de acordo com o secretário-geral do Conselho de Bispos Católicos de Kerala (KCBC), Varghese Vallikkatt, as acusações são muito sérias e afetam a imagem da Igreja.

“A Igreja não vai evitar de nenhum modo que se faça justiça”, disse à Efe Vallikkatt.

Após conhecer o caso dos quatro padres, a Comissão Nacional da Mulher enviou uma petição ao primeiro-ministro, Narendra Modi, para que ponha fim às confissões na Igreja, uma medida que criou uma forte rejeição entre as autoridades eclesiásticas.

O Conselho de Bispos Católicos, em comunicado, acusou o governo de ter “motivos políticos e comunitários” para criar “tensão e mal-estar religioso entre a minoria” com o objetivo de “dividir”.

Segundo afirmou à Efe a vice-presidente da Associação Conselho de Ação da Igreja, Indulekha Joseph, que procura introduzir um sistema democrático na organização da instituição religiosa, Kerala não está preparada para acabar com a confissão. Porém a prática coloca a mulher e as crianças na mão de religiosos “não confiáveis” em um momento em que surgem “em grande número incidentes” que envolvem padres no país.

Gospel Channel com EFE

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Por favor, digite seu nome aqui